Trabalhadores de Madureira

As fotos que integram esse pequeno álbum chamado “Trabalhadores de Madureira” foram tiradas entre os anos de 2013 e 2015, ao longo de meu trabalho de campo nesse bairro do subúrbio carioca. Visitante esporádico do bairro desde minha infância, Madureira tornou-se objetivo de pesquisa no meu doutorado em Sociologia e Antropologia pelo PPGSA-UFRJ, que já se aproxima do fim. Como o trabalho que realizo discute os usos e efeitos de algumas representações simbólicas sobre o bairro – que, por serem eficazes, trazem reconhecimento e prestígio ao lugar -, busquei, através de observações e demais métodos, outras representações possíveis sobre Madureira, de menor reconhecimento para os “de fora” do bairro, e recebedoras de menores investimentos midiáticos.

Para os que visitam Madureira sob qualquer justificativa, passeando por seus três lados separados por duas linhas férreas, é impossível não incluir no imaginário sobre o bairro uma intensa ocupação do espaço público por gente de todo tipo. E no meio dessa gente toda, ora oferecendo mercadorias e serviços, ora oferecendo informações indispensáveis e segurança nos caminhos e pontos de ônibus noturnos, os diversos trabalhadores que têm o bairro como lugar de suas estratégias pessoais, de suas experiências de labor e persistência, de suas oportunidades de vida. A “capital do samba” tem labuta em todo canto!

 

João Felipe P. Brito. Carioca de Bangu, sociólogo, pesquisa e admira as cidades e suas muitas possibilidades de vida conjunta.